Sindicato dos Atletas da Bahia

SALVADOR, 07 DE AGOSTO DE 2020
Redes
banner

Notícias

O DRAMA DE ELIBERTO

"O quadro é reversível.Preciso de ajuda"

Aos 56 anos o ex-atleta luta contra problemas de saúde


Roberto Conceição Argolo – conhecido no mundo da bola pelo apelido de Eliberto – sente saudade dos tempos de jogador. Foram dezoito anos dedicados ao esporte, desde a chegada ao dente de leite do Bahia, aos 12, até o derradeiro jogo final, já na casados 30, no CSA de Alagoas.

O corpo, aos 56, já não é mais o mesmo. As pernas bambas e uma incômoda e constante tontura impedem até que um eventual baba sirva de paliativo para saciar os anos nostálgicos. “Continuo vivendo o esporte. Só que agora apenas pela televisão”, conta o ex-zagueiro.

Seria confortável, ou até mero capricho, se o drama fosse apenas este. Mas não é. Desde 2009, Eliberto padece de um problema no rim esquerdo, consequência da diabetes e da alta pressão que o marcam cerrado há mais de uma década – tendo sofrido dois AVCs (Acidente Vascular Cerebral) em um intervalo de doze anos.

Eliberto faz três sessões de hemodiálise por semana (às terças, quintas e sábados) e recebe ajudas regulares dosamigos da AGAP (Associações de Garantia ao Atleta Profissional), por meio do presidente Sérgio Morais e do superintendente Hugo Aparecido.

“Eles dão muito apoio, mas agora preciso ir a São Paulo (SP) para ser tratado no Hospital do Rim. Meu médico diz que meu quadro pode ser reversível, mas é uma viagem cara e o meu plano de saúde (Planserv) não cobre lá”, revela.

Seus vencimentos, pouco mais de um salário mínimo e meio, da aposentadoria como funcionário público da Secretaria Municipal de Serviços Públicos (Sesp) – não conseguiu se aposentar como jogador de futebol – são insuficientes para cobrir todos os custos do tratamento.

Eliberto atualmente mora numa casa com a mulher, os três filhos e a sogra, no bairro do Pau Miúdo, em Salvador. “Seria bom ter ajuda dos meus amigos. Tive a chance fazer vários deles em muito tempo como jogador do Bahia. Cheguei aqui menino e passei pelo dente de leite, infanto, juvenil e finalmente fui para o profissional, aos 20 anos. Foram tempos maravilhosos”, relembra.

Relíquias - Entre os maiores objetos daqueles tempos áureos, guarda uma faixa do tricampeonato de juvenil pelo Bahia (1973, 74 e 75) e também da conquista do até hoje imbatível hepta, tendo participado dos campeonatos de 1978 e 1979, já como profissional.

“Era reserva de Sapatão e Zé Augusto. Dois ídolos. Sou parte daquela conquista histórica. Tenho muito orgulho disso”, afirma.

Eliberto sente saudade dos tempos de boleiro. Da convivência diária dos amigos Beijoca, do goleiro Ronaldo e dos hoje famosos Felipão (seu reserva no CSA) e Cristóvão (atualmente técnico do Vasco da Gama).

O rim caleja, mas o coração permanece intacto. “Tenho orgulho de tudo que vivi. Foram tempos maravilhosos”, repete.

Corrente a quem puder ajudar Eliberto:

O ex-jogador aceita doações para tentar custear seu tratamento. O número da conta, do Banco Bradesco, é 857642-4, da agência 30724, em nome de Roberto Conceição Argolo.



« voltar



BandeiraSINDICATO DOS ATLETAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DA BAHIA

Rua Arthur de Azevedo Machado, Nº 497, Loja 107, Shopping Bahiamar. Costa Azul

CEP – 41760-000  SALVADOR – BAHIA

email: sindapbahia@bol.com.br  skype: sindap.bahia  Tel. 71-3272-1536